Notícias

O Fotógrafo Acidental na Culturgest

O Fotógrafo Acidental na Culturgest

O Fotógrafo Acidental na Culturgest

Serialismo e Experimentação em Portugal, 1968-1980

Curadoria Delfim Sardo

até 3 de Setembro 2017

A exposição O Fotógrafo Acidental – Serialismo e Experimentação em Portugal, 1968-1980 é uma tentativa de mapear o uso crítico e conceptual da fotografia por artistas visuais em Portugal. A exposição apresenta a obra de Ernesto de Sousa, The Promised Land – Requiem para Vilarinho das Furnas, 1979 e foi realizada uma performance com leitura de textos à semelhança da sua estreia na SNBA em 1980.

A exposição inclui também obras de Alberto Carneiro, Ângelo de Sousa, Fernando Calhau, Helena Almeida, Jorge Molder, José Barrias, Julião Sarmento, Vítor Pomar e Leonel Moura. Por ocasião da exposição, foi lançado um catálogo com documentação sobre as obras expostas com textos de  Delfim Sardo, Sérgio Mah, Ernesto de Sousa, Eduardo Batarda, Fernando Pernes, Leonel Moura e Alberto Carneiro.

Cobrindo um período atravessado pela Revolução do 25 de abril de 1974, a exposição revela as importantes transformações da arte portuguesa num contexto de difícil inscrição cultural das propostas dos artistas. Constituindo uma primeira tentativa de apresentação deste fascinante panorama criativo, a exposição proporciona uma oportunidade rara para compreender também as transformações no próprio uso da fotografia.

Três constatações são possíveis pela visão conjunta das obras em contexto expositivo: o uso da fotografia como produção de imagens únicas e extraordinárias é preterido em função de séries de imagens, relacionando-se mais com o cinema do que com a história específica do medium fotográfico; a fotografia é usada frequentemente como meio de documentar processos performativos de que a câmara é a única testemunha; por fim, a instalação, por vezes de grandes conjuntos de imagens, frequentemente com uso de texto, passa a ser a tipologia utilizada por muitos artistas.